As expectativas para TV 3.0, o que vai mudar?

TV 3.0
Compartilhar

Hoje é impossível ficar sem assistir TV. Lá é onde encontramos as notícias, diversão e lazer. A TV aberta atende a 70% das famílias brasileiras, acesso universal e democrático à informação e ao entretenimento. O sistema de TV brasileiro já passou por várias evoluções e o ritmo de desenvolvimento a novas inovações está crescendo cada vez mais. Como a TV 3.0.

Conheça a linha do tempo de evolução da TV

TV 1.0 – 1950

Aqui temos a famosa TV analógica que transmitia vídeo somente em preto e branco e com som monofônico.

TV 1.5 – 1970

Nesta época as TVs ganharam as suas cores! A primeira transmissão ao vivo e em cores foi a Festa da Uva em 1972.

TV 1.5 – 1980

Ainda na geração 1.5 das TVs, em 1980 as transmissões passaram a possuir som estéreo e legenda.

TV 2.0 – 2007

Primeira geração da Televisão Digital Terrestre – Vídeo com alta definição, recepção móvel, interatividade e som ambiente.

A TV 3.0: O que vai mudar?

A TV 3.0, conhecida com a próxima geração de Televisão Digital Terrestre, entregará uma qualidade de imagem e som melhores para o usuário. O novo sistema de TV aberta está sendo desenvolvido pelo SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre), junto com outros setores da indústria de receptores e transmissores, empresas de software, radiodifusoras e 70 pesquisadores de sete universidades envolvidas durante cinco meses de testes.

A TV 3.0 vai permitir a segmentação geográfica da distribuição aberta, trazendo maiores oportunidades para negócios locais, maior qualidade, com realismo e sensação de imersão do conteúdo. 

Expectativas para a TV 3.0:

O que esperar da nova tecnologia?

Para quem trabalha na área de transmissão e retransmissão de sinal de TV deve se preparar para novas mudanças. Essas mudanças incluem novas formas de transmissão e novos benefícios em relação a áudio e vídeo.

Confira abaixo as hipóteses sobre o que a TV 3.0 pode trazer.

Transmissão pelo ar: 

As especificações delineadas para a transmissão pelo ar serão baseadas na reutilização de frequência -1, ou seja, o uso do mesmo canal de RF por estações independentes que cobrem áreas de serviço adjacentes. 

Proporcionaria grande flexibilidade para a rede de transmissão, que poderia ser expandida e subdividida livremente (permitindo conteúdo geo-segmentado pelo ar) usando o mesmo canal. Também aumentaria a resiliência e a robustez da rede. 

Além disso, reduziria a demanda por espectro adicional para a transição tecnológica. Após a transição tecnológica, todos os canais poderão ser utilizados de forma simultânea e independente em todas as localidades, aumentando significativamente a capacidade disponível para TV Digital, principalmente em localidades que atualmente possuem poucos canais (note- se que a distribuição de canais de TV no território brasileiro atualmente é desigual, dependendo da demanda de cada mercado). 

Codificação de vídeo: 

A codificação de vídeo da TV 3.0 deve suportar HDR/UHDTV e deve fornecer eficiência de codificação de última geração e suportar codificação ao vivo com latência mínima de ponta a ponta. Um segundo fluxo de vídeo com um intérprete de linguagem de sinais a ser opcionalmente ativado pelo usuário também deve ser suportado.

Codificação de áudio: 

A codificação de áudio TV 3.0 deve suportar áudio imersivo e interativo e fornecer eficiência de codificação de última geração e suportar codificação ao vivo com latência mínima de ponta a ponta. Ele também deve oferecer suporte à entrega de descrição de áudio no mesmo fluxo do áudio principal, como uma mixagem completa alternativa ou como um objeto de áudio adicional com metadados associados.

E o que os brasileiros devem esperar?

A primeira transmissão da TV 3.0 está marcada apenas para 2024, então muitas mudanças ainda podem acontecer neste processo.

A maior aposta dos estudiosos da área sugere que a transformação tecnológica exija a mudança dos aparelhos de TV. Afinal de contas, para um nova geração tecnologia é necessário novos equipamentos de transmissão e recepção.

Assim como já citado, a evolução das TVs foram lentas e gradativas desde o seu surgimento, assim como esta também será. 

De um modo geral, evoluir para a TV 3.0 será um importante marco da tecnologia no segmento das telecomunicações no Brasil, onde irá entregar qualidade superior à atual, e isso não será feito do dia para noite e sim em um longo período de tempo.

E você? O que espera da TV 3.0? Comente abaixo!

Aproveite e siga a SM Facilities nas redes sociais: @sm_facilities e LinkedIn.

Te vemos no próximo artigo!


Fontes: SBTVD e TeleSíntese.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Inscreva-se na nossa newsletter e não perca nenhuma notícia.

Veja outros artigos

3° dia da SM Facilities na NAB 2022

Primeiro painel do dia no NABShow debatendo o futuro com o streaming, ministrado pelos especialistas: Maurício Félix, Yassue Inoki, Srini e Stefan Leder O primeiro

2° dia da SM Facilities na NAB 2022

Primeiro painel No primeiro painel do dia, moderado pelo Eduardo Lopes, da Rede Amazônica, Jurandir Pitsch apresentou os serviços em nuvem da SES, em um

1° dia da SM Facilities na NAB 2022

Neste domingo começou a NAB e a SM Facilities estava presente. O dia começou com o SET’30, o tradicional seminário da Sociedade Brasileira de Engenharia